Imagem do post TPM: o que é, sintomas e como tratar a Tensão Pré-Menstrual?


A TPM (Tensão Pré-Menstrual) atinge a maioria das mulheres em idade fértil, mas cada uma vivencia os sintomas em intensidades diversas que variam desde alterações leves, passando pelas moderadas até as mais graves¹.

Em média, 3 a cada 4 mulheres experimentam alguns dos sintomas associados à tensão pré-menstrual durante o ciclo¹.

Apesar dos sinais da TPM seguirem um padrão, as mudanças físicas e emocionais experienciadas neste período são diferentes para cada pessoa¹.

Por isso, é fundamental desmistificar o estigma sobre o assunto para que as mulheres sejam acolhidas e compreendidas nas suas experiências naturais, principalmente pelos homens — que, aliás, também podem passar por alterações hormonais que têm efeitos parecidos com os da TPM feminina¹.

Continue lendo o artigo e entenda por que a TPM acontece, os principais sintomas físicos, comportamentais e emocionais, quantos dias dura e como tratar e se cuidar durante essa fase.

Boa leitura!

O que é Tensão Pré-Menstrual (TPM)?

A TPM ou tensão pré-menstrual é a síndrome que acontece antes da menstruação e apresenta uma ampla variedade de sintomas em diferentes graus de intensidade com alterações de humor, sensibilidade nos seios, dor de cabeça, maior desejo por doces ou comidas salgadas, fadiga, irritabilidade e depressão¹.

Os sintomas da TPM afetam entre 75% e 80% das mulheres em idade fértil (15 a 49 anos) com diferenças na quantidade, duração e gravidade dos sintomas².

Os casos graves que envolvem alterações drásticas no humor que afetam (e até limitam) a capacidade e o desempenho profissional, social e familiar, são chamados de transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). Esse quadro ocorre com 3% a 8% das mulheres².

Por isso, o manejo dos sintomas da TPM é fundamental para garantir a qualidade de vida. Também se faz necessária a orientação do ginecologista para seguir medidas de controle seguras e saber quando é necessário o apoio de outras especialidades médicas para tratar o quadro².

Por que a tensão pré-menstrual acontece?

A causa raiz da TPM ainda não é conhecida, mas já existem fatores associados à tensão pré-menstrual descobertos. Os principais são:

  • modificação dos níveis de estrogênio e progesterona no ciclo menstrual, que sensibiliza mais o organismo de algumas mulheres;
  • baixa concentração de serotonina, a substância reguladora do humor (níveis de serotonina maiores aliviam os sinais da TPM);
  • fatores genéticos também predispõe mulheres a terem TPM;
  • deficiência de cálcio e magnésio no organismo;
  • aumento dos níveis de aldosterona (outro hormônio), consequência da variação de estrogênio e progesterona, que causa retenção de líquidos e inchaço³.

Diante das evidências científicas, as mulheres podem afirmar com segurança que a TPM é uma síndrome real e que pode afetar de formas e intensidades diferentes cada pessoa³.

Inclusive, há mulheres que não experienciam nenhuma mudança durante o ciclo menstrual, o que também é normal³.

Quais os sintomas da TPM feminina?

A TPM feminina causa vários sintomas. Dentre os principais, podemos destacar:

Alterações de humor, como irritabilidade ou tristeza

Durante a TPM, as flutuações hormonais, particularmente no que se refere aos níveis de estrogênio e progesterona, podem afetar neurotransmissores, causando mudanças de humor. Irritabilidade, tristeza e instabilidade emocional são comuns4.

Inchaço e sensibilidade nos seios

A variação hormonal pode gerar retenção de líquidos e sensibilidade mamária. Os seios podem ficar inchados e doloridos devido a essas alterações4.

Fadiga ou cansaço

As oscilações hormonais podem contribuir para a fadiga e cansaço físico e mental, afetando os padrões de sono e a energia geral durante o período pré-menstrual².

Alterações no apetite e desejos por certos alimentos

Mudanças hormonais podem influenciar a fome e os desejos alimentares, levando à busca por alimentos específicos ².

Dor de cabeça

A TPM está associada a alterações nos níveis de serotonina, o que pode desencadear dores de cabeça ou enxaquecas em algumas mulheres. Para aliviar esses diferentes tipos de cefaleia, o Buscofem pode ser o seu aliado4.

Cólicas abdominais

Contrações uterinas mais intensas para eliminar o tecido endometrial ocorrem devido à liberação de prostaglandinas. Tais substâncias provocam cólicas acentuadas4.

Inchaço abdominal

A retenção de líquidos, relacionada às flutuações hormonais, pode causar inchaço na região abdominal, contribuindo para desconforto².

Surgimentos de espinhas ou crises de acne

O aumento da produção de sebo pode levar ao surgimento de espinhas, que é consequência da variação hormonal durante a TPM².

Dificuldade para dormir

Distúrbios do sono podem afetar as mulheres em decorrência das alterações nos níveis de hormônios, especialmente a progesterona4.

Alterações na concentração e no foco

A influência hormonal pode afetar neurotransmissores, impactando a concentração e o foco durante a TPM. O resultado são dificuldades cognitivas temporárias4.

Mudança na libido

Flutuações hormonais, como a queda dos níveis de estrogênio, podem afetar o desejo sexual durante a TPM. Algumas mulheres percebem a libido aumentar, enquanto outras sentem menos vontade de manter relações sexuais. Essas variações são normais devido à complexidade hormonal².

Intestino preso ou diarreia

As flutuações hormonais podem afetar o sistema digestivo. Algumas mulheres experimentam constipação como consequência do aumento da progesterona.

Já outras podem ter diarreia devido à liberação de prostaglandinas, que afetam o trato gastrointestinal. Essas alterações são comuns durante a TPM².

Um estudo internacional listou a frequência de sintomas pré-menstruais relatados pelas mulheres entrevistadas, como mostra o gráfico4.

Frequência de ocorrência vs. tipos de sintomas da TPM.

É possível sentir apenas um ou dois sintomas durante o ciclo ou vários ao mesmo tempo. Lembrando que os efeitos podem ser tanto emocionais quanto físicos e acometer as mulheres em diferentes intensidades, uma vez que não seguem um padrão e nem possuem uma forma específica. Ou seja, os sinais são 100% individuais4.

Os sintomas da TPM desaparecem ao longo dos dias depois que a menstruação desce, os hormônios se estabilizam e o ciclo se prepara para recomeçar. Até algumas mulheres que enfrentam desconfortos severos sentem esse alívio².

Porém, pessoas com transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM) apresentam os mesmos sintomas listados acima, mas de forma angustiante e incapacitante todos os meses, como:

  • depressão;
  • alterações de humor;
  • raiva;
  • ansiedade;
  • sensação de sobrecarga;
  • dificuldade de concentração;
  • irritabilidade;
  • tensão7.

A TPM é diagnosticada pelo relato do próprio paciente ao médico sobre como ele se sente na fase pré-menstrual. Já a avaliação da TDPM é feita com base em critérios clínicos específicos7.

Como pode se tornar um quadro crônico, o tratamento da TDPM envolve medicamentos (contraceptivos orais, ansiolíticos e/ou antidepressivos), psicoterapia e mudanças nos hábitos de vida (alimentação e exercícios) para diminuir os sintomas5.

Saiba mais: TDPM: o que é, sintomas, qual médico procurar e opções de tratamento

Quando a TPM começa e quantos dias ela dura?

A Tensão Pré-Menstrual (TPM), comumente, inicia-se na segunda metade do ciclo menstrual, depois da ovulação, e termina com o início da menstruação. Ela pode começar entre 1 e 2 semanas antes do período menstrual; em muitos casos, a TPM persiste até os primeiros dias da menstruação³.

Isso significa que a TPM pode durar, aproximadamente, 7 a 14 dias, variando de mulher para mulher ³.

É possível que algumas mulheres experimentem apenas alguns desconfortos leves, enquanto outras enfrentem sintomas mais pronunciados³.

O ciclo menstrual individual e a resposta hormonal contribuem para a variação na duração e intensidade da TPM³.

Existe tratamento para TPM?

Não existe um tratamento ou remédio padrão para acabar com a TPM. Portanto, também não há cura¹.

Porém, os sintomas são tratáveis com uma abordagem multidisciplinar, quando necessário, que pode ser mais ou menos complexa, de acordo com cada caso¹.

Isso garante qualidade de vida e evita que a TPM limite qualquer aspecto da vida cotidiana¹.

Abaixo, explicamos as principais ações aplicadas no tratamento para TPM.

Mudanças no estilo de vida

A começar pela alimentação saudável, procure adotar uma dieta equilibrada, rica em nutrientes Alimentos com propriedades anti-inflamatórias, como frutas vermelhas, brócolis, peixes, gengibre e diversas verduras, podem ajudar a minimizar os sintomas².

Além disso, evite cafeína, açúcares e alimentos processados, pois eles podem potencializar o processo inflamatório e agravar os sintomas².

Ainda, seja adepta à prática regular de atividades físicas, como caminhadas leves, musculação, corridas, natação e ioga. Tais exercícios ajudam a liberar endorfina e podem reduzir o estresse, aliviando tanto os sintomas físicos como os emocionais da TPM².

Terapias comportamentais

Terapia cognitivo-comportamental (TCC) pode ser muito útil no gerenciamento de sintomas emocionais, como flutuações de humor e irritabilidade³.

Da mesma forma, práticas como mindfulness e técnicas de respiração podem diminuir o estresse e promover o bem-estar emocional³.

Medicamentos

Para alívio de dores, analgésicos, como o ibuprofeno, podem ser recomendados. Anti-inflamatórios não esteroides também são uma opção de remédio para TPM e atuam como aliados, ajudando a reduzir a inflamação e aliviar as dores¹.

Em casos graves, antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS) podem ser prescritos para controlar sintomas emocionais¹.

Suplementos

A suplementação de vitaminas e minerais, como cálcio e vitamina D, podem auxiliar na redução de sintomas físicos. O magnésio, por exemplo, ajuda a aliviar as cólicas e a reduzir a retenção de líquidos³.

Controle hormonal

Contraceptivos hormonais contribuem para regular os níveis de hormônio que tendem a flutuar no período menstrual, amenizando os sintomas².

Vale a pena lembrar que cada opção de tratamento é escolhida com base na gravidade dos sintomas, na preferência da paciente e em considerações médicas individuais².

A abordagem pode ser conduzida a partir de uma combinação de diferentes métodos para otimizar o alívio dos sintomas da TPM².

Leia também: Dieta anti-TPM: onde encontrar os nutrientes que você precisa?

Quem toma anticoncepcional tem TPM?

Mulheres que tomam anticoncepcionais também estão sujeitas a experimentar os sintomas da TPM. Porém, esses desconfortos costumam se manifestar de forma mais amena4.

Isso acontece porque os anticoncepcionais hormonais modulam os níveis de hormônio, reduzindo flutuações que causam a TPM4.

Entretanto, a resposta varia individualmente. Por exemplo, algumas mulheres podem continuar a ter manifestações de TPM, enquanto outras notam uma significativa redução4.

Existem tipos de TPM?

A TPM pode ser classificada em tipos de acordo com a predominância dos sintomas apresentados que afetam mulheres de maneiras diferentes².

Os sintomas comuns incluem alterações de humor, inchaço, dor nos seios, fadiga e cólicas. Além disso, algumas mulheres podem experimentar sintomas emocionais¹.

A diversidade na experiência da TPM destaca a o quão complexa essa condição é e a necessidade de abordagens personalizadas de tratamento, segundo os tipos de desconfortos mais evidentes¹.

TPM de Tipo A (Ansiedade)

A TPM do Tipo A, centrada na ansiedade, destaca-se por sintomas emocionais intensificados. Mulheres que vivenciam essa variante podem experimentar aumento significativo da ansiedade durante o período pré-menstrual5.

Esse sintoma pode manifestar-se como nervosismo, inquietação, preocupação excessiva e tensão emocional. Além disso, podem ocorrer sintomas físicos relacionados à ansiedade, como arritmia cardíaca, sudorese e tensão muscular5.

Essa expressão específica da TPM requer abordagens terapêuticas específicas, como técnicas de gestão do estresse, exercícios físicos e, em alguns casos, intervenções medicamentosas sob orientação médica5.

TPM de Tipo C (Compulsão)

A TPM do Tipo C, caracterizada por compulsão, concentra-se em sintomas relacionados a alterações no comportamento alimentar. Mulheres que experimentam esse tipo de Tensão Pré-Menstrual podem enfrentar desejos intensos por alguns alimentos, principalmente aqueles com alto teor de açúcar e carboidratos².

A compulsão alimentar durante a TPM é vista, muitas vezes, como uma maneira de se confortar emocionalmente².

Abordagens para gerenciar a TPM do Tipo C incluem estratégias dietéticas equilibradas, prática de exercícios físicos regulares e técnicas de enfrentamento para lidar com os desafios emocionais associados à compulsão alimentar².

TPM de Tipo D (Depressão)

A TPM do Tipo D, centrada na depressão, é caracterizada pela intensificação de sintomas emocionais associados à tristeza profunda e desânimo5.

Mulheres acometidas por esse tipo de TPM podem sentir uma mudança acentuada no humor, resultando em sentimentos de melancolia, desesperança e perda de interesse em realizar tarefas cotidianas5.

A depressão durante a TPM pode ser acompanhada por fadiga, dificuldades para manter o foco e alterações no sono5.

TPM de Tipo H (Hidratação)

A TPM com um Tipo H está relacionada à retenção de líquidos, que é uma condição comum no período menstrual e que pode causar inchaço (especialmente nas extremidades e na região abdominal) e ganho de peso³.

Para aliviar esses sintomas, é fundamental adotar uma hidratação adequada e reduzir o consumo de sal. Diuréticos naturais, como chá de ervas, podem ser alternativas a se considerar para manter o correto equilíbrio hídrico³.

É possível ter TPM durante a menstruação?

Como o próprio nome sugere, a Tensão Pré-Menstrual é caracterizada pelos sintomas que ocorrem antes da menstruação, durante a fase lútea do ciclo menstrual. A presença desses sintomas indica que a menstruação ainda não começou¹.

No entanto, apesar de marcar o fim da fase lútea e o início do novo ciclo menstrual, a menstruação pode vir acompanhada de desconfortos característicos da TPM².

Apesar de ser menos comum, é possível que algumas mulheres experimentem desconfortos emocionais e físicos durante a menstruação - influenciados pelas flutuações hormonais e variações individuais no ciclo menstrual¹.

Nesses casos, o mais aconselhável é consultar um profissional de saúde para determinar com precisão a causa dos desconfortos¹.

Como se diferem os sintomas da TPM e da gravidez?

A TPM e a gravidez são duas condições distintas. Porém, ambas podem compartilhar alguns sintomas. Então, fica o questionamento: como saber se é TPM ou gravidez?

Confira abaixo alguns pontos que você pode observar para responder essa pergunta² ³.

  • Duração dos sintomas: os desconfortos da TPM duram de 1 a 2 semanas, já os da gravidez podem persistir até por meses.
  • Alterações nos seios: em ambas as condições os seios ficam mais sensíveis e inchados; porém, na gravidez, os seios podem escurecer.
  • Náuseas e vômitos: no início da gestação é normal sentir náuseas e ter episódios de vômitos, enquanto na TPM esses sintomas são mais raros.
  • Cólicas abdominais: são dores típicas antes da menstruação e também podem ocorrer, ainda que de forma mais branda, na gravidez.
  • Fadiga e cansaço: comum tanto na TPM como na gravidez.
  • Desejos alimentares: na gravidez e na TPM os desejos alimentares se intensificam, sendo que na gestação esse desejo pode ser por alimentos “incomuns”.
  • Tempo de ocorrência: na TPM, os sintomas ocorrem 1 a 2 semanas antes da menstruação, enquanto na gravidez os sinais surgem nas primeiras semanas após a concepção, geralmente antes do período menstrual esperado² ³.

Caso você esteja na dúvida se está grávida ou se os sintomas são apenas de Tensão Pré-Menstrual, faça um exame de farmácia para conferir e, caso dê positivo, consulte um ginecologista para confirmar o diagnóstico².

O que a TPM causa no psicológico?

A TPM, independentemente da gravidade do quadro, causa um período de instabilidade física e emocional para as mulheres6.

A falta de conhecimento e preconceito, especialmente dos homens, que culpam a tensão pré-menstrual pela irritação, conflitos e comportamentos das mulheres tanto nos relacionamentos pessoais quanto nos de trabalho, reforçam ainda mais o estigma da TPM6.

Isso fragiliza as mulheres, porque muitas ainda têm dificuldades de perceber que o que estão passando é TPM6.

Porém, se o assunto recebe a devida atenção, os sintomas são controlados e os casos graves são tratados com as terapias existentes6.

Dessa forma, as mulheres conseguem se manter com saúde, dispostas, com qualidade de vida e seguras para passar por todas as fases que lhe são naturais, o que inclui a TPM e a menstruação6.

FAQ

O que significa estar de TPM?

O significado de TPM é Tensão Pré-Menstrual. Trata-se do período que antecede a menstruação, caracterizado por flutuações hormonais capazes de desencadear diversos sintomas que afetam tanto o lado físico como o emocional; por exemplo, mudanças de humor, inchaço, irritabilidade e cólicas¹.

Esses sintomas resultam das variações nos níveis de estrogênio e progesterona. Gerenciar o estresse, adotar hábitos saudáveis e, em casos mais severos, considerar intervenções médicas podem ajudar a aliviar os desconfortos da TPM¹.

Quando é o período da TPM?

O mais comum é que a TPM ocorra na segunda metade do ciclo menstrual, cerca de uma a duas semanas antes da menstruação iniciar. Este período corresponde à fase lútea, que acontece após a ovulação².

Existe TPM masculina?

Não há uma condição específica denominada "TPM masculina" comparável à Tensão Pré-Menstrual nas mulheres - exceto, claro, quando se trata de homens trans².

Contudo, homens também podem experimentar flutuações hormonais, afetando o humor e o bem-estar. Variações nos níveis de testosterona podem influenciar o estado físico e emocional masculino².

Sintoma de TPM forte é grave?

Sintomas intensos, embora desconfortáveis, não são necessariamente graves ou indicativos de uma condição médica séria. No entanto, a gravidade da TPM varia entre as mulheres³.

Para algumas, os sintomas são gerenciáveis, enquanto para outras podem impactar de forma indesejada a qualidade de vida³.

Se os desconfortos são debilitantes, persistem ou interferem nas atividades diárias, é aconselhável procurar orientação médica³.

Qual o melhor remédio para TPM?

O melhor remédio para a TPM varia de acordo com os sintomas específicos e a gravidade. Dentre as opções mais comuns, destacam-se:

  • analgésicos para alívio da dor;
  • anti-inflamatórios para cólicas;
  • contraceptivos hormonais para regularizar os níveis de hormônio;
  • antidepressivos para sintomas emocionais intensos4.

É crucial consultar um profissional de saúde para que ele possa te avaliar individualmente e determinar o tratamento mais adequado4.

O que é Transtorno Disfórico Pré-Menstrual?

O Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM) é uma condição caracterizada pela intensificação dos sintomas emocionais comuns no período que antecede a menstruação, como ansiedade, irritabilidade, tristeza profunda e alterações no humor7.

Qual é a diferença entre TDPM e TPM?

A diferença entre TDPM e TPM se manifesta na intensidade dos sintomas. A TPM é prevalente, apresentando variações emocionais e físicas leves a moderadas antes da menstruação7.

Em contrapartida, o TDPM se destaca pela severidade, com sintomas emocionais mais intensos e debilitantes, como ansiedade, irritabilidade e tristeza profunda7.

Essas manifestações impactam profundamente a qualidade de vida, exigindo atenção médica e tratamento especializado7.

Buscofem Cápsula Liqui-Gel: seu maior aliado no alívio da dor

Como você pôde conferir neste guia completo sobre TPM, a Tensão Pré-Menstrual é conhecida por causar diversos desconfortos para as mulheres, incluindo dores de cabeça e as famigeradas cólicas menstruais.

Para aliviar esses sintomas físicos, saiba que você pode contar com o Buscofem Cápsula Liqui-Gel™.

Tendo como princípio ativo o ibuprofeno (400 mg), que é um poderoso anti-inflamatório não esteroide, esse medicamento proporciona alívio quase que imediato para as suas cólicas menstruais - além de dores de cabeça, nas pernas e nas costas.

A composição líquida das cápsulas faz com que o Buscofem aja 2 vezes mais rapidamente que os comprimidos convencionais. A partir de 20 minutos, você já percebe melhorias no seu desconforto.

Os efeitos do Buscofem Cápsula Liqui-Gel™ permanecem de 4 a 6 horas.

E lembre-se: